25 de setembro de 2021
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

A Diocese de Paulo Afonso completa 50 anos de existência

Postado por:

Share on facebook
Share on whatsapp

A Diocese de Paulo Afonso completa nesta terça-feira, 14 de setembro, o seu Jubileu de Ouro, 50 anos de existência. Localizada na Região Nordeste do Estado da Bahia, e sendo composta por 23 paróquias e 5 quase-paróquias em 20 municípios, com o tema “Sentir com a Igreja”, e o lema “Um só coração e uma só alma” (At 4,32), a Diocese tem desenvolvido, além da evangelização, a transformação social na vida do povo, pelas obras sociais e as instituições fundadas, durante este meio século.

Neste dia celebrativo, voltado aos 50 anos, as paróquias da Diocese de Paulo Afonso preparam uma programação especial em suas comunidades e redes socias. Dom Guido Zendron, atual Bispo da Diocese, encaminha ao povo de Deus, uma mensagem de gratidão a Deus e por todos aqueles que doaram e que ainda doam a sua vida em prol da Palavra de Deus.

 

Palavra de Dom Guido 

Bispo da Diocese

 

Que significa celebrar os cinquenta anos da Diocese de Paulo Afonso?

Primeiro lugar gratidão a Deus porque desmembrando a nossa diocese da imensa diocese do Senhor do Bomfim, permitiu que o nosso povo experimentasse de forma mais concreta e existencial a proximidade da Igreja e, através dela, a Presença do mesmo Cristo Jesus.

Em segundo lugar é um sentimento de gratidão para aqueles que a partir da própria vocação particular deram vida à Diocese, pois o decreto é importante, mas sem as pessoas assumirem com amor e ardor, ficaria algo puramente burocrático.

Quantas histórias temos de pessoas que não pouparam esforços e sacrifícios para tornar experiência de vida a Palavra de Deus que meditavam e como a solidariedade nunca faltou na experiência das nossas comunidades.

Mas celebrar os cinquenta anos é também renovar a nossa responsabilidade a fim de que, vivendo o dom do Batismo, possamos continuar esta maravilhosa história encontrando sempre novos caminhos e novas formas de vida para podermos responder no presente, aos anseios e necessidades do nosso povo.

Que Nossa Senhora de Fátima nos acompanhe e que o sim dela se torne sempre mais a verdadeira atitude de nossa vida frente às circunstâncias que nos se apresentam.

 

Que sejamos testemunhas de esperança através da nossa fé e da nossa caridade.

 

Dom Guido Zendron

Bispo da Diocese de Paulo Afonso

 

 

Breve História

No dia 14 de setembro de 1971, o Papa Paulo VI, através da Bula Papal Pastorale Munus, passou a denomina-la como Diocese de Paulo Afonso. No dia 08 de dezembro daquele mesmo ano, acontecia a solenidade de instalação, com o todo o clero diocesano, associações religiosas e autoridades de todos os municípios estando presentes naquela manhã. Dom Jackson Berenguer Prado, chega em Paulo Afonso sendo empossado o 1º Bispo, na Catedral de Nossa Senhora de Fátima. A cerimônia de posse foi realizada com a Missa Solene, presidida pelo o Bispo D. Jackson, e concelebrada pelos demais Bispos presentes e Sacerdotes.

O escritor e historiador, Antônio Galdino da Silva, conta em seu texto, Diocese de Paulo Afonso, uma história de 40 anos com raízes seculares, escrito em 2011, a importância da Diocese para o município de Paulo Afonso, através da evangelização e obras sociais, que se fazem presentes até os dias de hoje.

 

Confira o Texto:

 

Com o passar dos anos a grande dimensão territorial das áreas administradas pela Igreja Católica, através de suas dioceses, tornou esta gestão muito difícil e complicada, como era o caso da Diocese de Bonfim, da qual fazia boa parte do território baiano, inclusive todo o território que hoje é a Diocese de Paulo Afonso, que abrange mais de 20 municípios e outro tanto de paróquias.

Estudiosos também apontam como elevado grau de dificuldade de gestão o fato de, na área de abrangência da Diocese, o IDH da maioria dos seus municípios ser os mais baixos do Estado da Bahia.

Em documento histórico produzido na gestão do bispo Dom Aloysio Penna, em novembro de 1987, já se destaca que “a mais remota história de Jeremoabo nos fala de capelães mantidos pelos senhores da Casa da Torre, a presença de Jesuíta… Coube ao zelo do Arcebispo Dom Sebastião Monteiro da Vide (1702-1722) elevar a missão à categoria de Freguesia… A paróquia de Jeremoabo seria o grande centro irradiador da fé em pleno coração do sertão”.

Estes fatos levam os pesquisadores a assegurar que a história da Diocese de Paulo Afonso, mesmo que ainda sem essa nomenclatura “deve ter origem no Século XVI” e atribui a Jeremoabo, hoje, uma das paróquias desta diocese e a sua secular Igreja Matriz, a condição de “mãe de toda a Diocese de Paulo Afonso”.

A Igreja tem se mostrado ao longo dos séculos como instituição acolhedora dos mais humildes e desprotegidos da sociedade o que lhe faz com que a sua atuação vá bem além dos valores espirituais e se volte para ações sociais de grande porte buscando, para isso, a parceria com instituições outras, públicas e privadas.

É o caso da Diocese de Paulo Afonso que mantém seminários, casas de acolhida de idosos, crianças e mulheres, escolas e um sem número de outras atividades tão necessárias nesta região semi-árida, de quase 30 mil quilômetros quadrados onde vive uma população de cerca de 500 mil pessoas, nesse “grande pedaço do Sertão”, como diz o Padre Celso da Anunciação, da paróquia de São Francisco, em Paulo Afonso. Sua área de jurisdição vai de Abaré, Rodelas e Glória, na divisa com o Estado de Pernambuco, inclui Paulo Afonso, onde está a sede da administração diocesana e a residência do bispo, Santa Brígida, Pedro Alexandre, Coronel João Sá e Paripiranga, cidades que fazem divisa com os estados de Alagoas e Sergipe, vai até Ribeira do Pombal e se estende ainda pela região de Canudos.

Embora as ações pastorais na região remontem ao Século XVI, a Diocese de Paulo Afonso foi criada em 14 de setembro de 1971 por autorização do Papa João Paulo VI, através da Bula Papal “Pastoral Munus” e foi instalada em 8 de dezembro do mesmo ano.

A Diocese, nesses anos, tem sido presença decisiva no apaziguamento de ânimos como nos antigos conflitos que envolviam a Chesf e os sindicatos e, através de suas Pastorais, na busca de programas de apoio ao homem e a sua convivência com a seca e outras tantas formas de agressão a que os mais necessitados sofrem em sua caminhada por esta região sertaneja.

A história desta diocese é um grande e importante capítulo da história do próprio município de Paulo Afonso e não pode ser ignorada nem esquecida porque é através da avaliação dos registros históricos que se pode planejar os próximos passos, o futuro.

 

Antônio Galdino da Silva

Escritor/historiador de Paulo Afonso

Diretor da Galcom Comunicações/Jornal Folha Sertaneja

 

A Bula Papal

A bula papal é um documento enviado pela Chancelaria Apostólica, recebendo o selo e assinatura do Papa, atestando sua autenticidade. Este documento tem diversos fins, a questões judiciais, administrativas, assuntos de fé, designações de bispos, variando conforme o seu conteúdo. No dia 14 de setembro de 1971 é emitida a Bula responsável pela criação da Diocese de Paulo Afonso.

 

Tradução da Pastorale Munus da Diocese de Paulo Afonso

 

PAULO, BISPO, SERVO DOS SERVOS DE DEUS EM PERPÉTUA MEMÓRIA DE FATO.

 

O MUNUS PASTORAL que nos obriga a cuidar devidamente de utilidade da Igreja Universal, nos exige às vezes a dividir o território das Dioceses mais extensas para fundar nova circunscrições eclesiásticas. Assim, consideramos de bom grado, digno de aceita ao parecer do Venerável Irmão Antônio Mendonça Monteiro, Bispo Diocesano de Bonfim, que, ouvida a conferência Nacional dos Bispos do Brasil, pediu a Sé Apostólica que da sua muito vasta Diocese se desmembrasse uma parte para formar outra. Ouvida a opnião do Venerável irmão Humberto Mozzini, Arcebispo Titular de side e Núncio Apostólico no Brasil, bem como a dos Eminentes Cardeais que presidem à Sagrada Congregação para os Bispos decidimos e mandamos o seguinte:

Separamos da Diocese de Bonfim todo território compreendido pelos Municípios de ABARÉ, ANTAS, CÍCERO DANTAS, CHORROCHÓ, CORONEL JOÃO SÁ, EUCLIDES DA CUNHA, GLÓRIA, JEREMOABO, MACURURÉ, PARIPIRANGA, PAULO AFONSO, PEDRO ALEXANDRE, QUINGINGUE, RIBEIRA DO POMBAL, RODELAS, SANTA BRÍGIDA, TUCANO, UAUÁ, e com eles constituímos uma nova Diocese, que se chamará de PAULO AFONSO, que será circunscrita pelos limites e territórios acima citados. A respectiva Sede Episcopal será na cidade de Paulo Afonso e terá por Catedral a Igreja Nossa Senhora de Fátima, com todos os diretos e privilégios correspondentes. A nova Diocese será sufragânea da Sé Metropolitana de São Salvador no Brasil e o respectivo Bispo, do metropolita da referida Sé. Seja criado o cabido dos cônegos segundo as normas que serão ditadas por outra Carta Apostólica. Escolham-se, porém, por enquanto, Consultores Diocesanos, na forma do Direito Canônico. A mesa episcopal se construirá dos emolumentos da Cúria, das contribuições espontâneas dos fiéis e dos bens pertencentes à Diocese conforme o Cânon 1500 do Código de Direito Canônico, o Decreto “Optantam Totius” do Concílio Vaticano II e as regras peculiares emanadas da Sagrada Congregação para Educação Católica. Envie-se a Roma os alunos escolhidos ao Pontifício Colégio Pio Brasileiro, para que se formem-nas disciplinas filosóficas e teológicas. Observe-se estritamente o que prescrevem os Sagrados Cânones no que respeita ao regime da Diocese, sua administração, escolha de Vigário Capitular, Direitos e Deveres dos fiéis e de tudo mais. Constituída legalmente a Diocese de PAULO AFONSO, ficam pelo mesmo fato pertencentes a ela os Sacerdotes que em seu território tenham beneficio ou Ofício eclesiástico, os outros clérigos e seminaristas pertencem àquela onde tenham legitimo domicílio. Os atos e documentos referentes à nova Diocese sejam transferidos pela Cúria de Bonfim à Paulo Afonso, onde serão cuidadosamente guardados no Arquivo.  Tudo que aqui prescrevemos seja levado a efeito pelo Venerável irmão Humberto Mezzoni ou por sacerdote delegado por ele, exarando-se os documentos de costumes, que serão logo remetidos à Sagrada Congregação para os Bispos, depois devidamente subscrito e carimbados. Queremos que esta constituição seja sempre eficaz de tal modo que tudo que foi nela decretado seja religiosamente observado por todos aqueles a quem competir, e assim obtenham a sua força. Para a eficácia desta Constituição, não se poderá realizar qualquer prescrição em contrário, de qualquer gênero, pois as derrogamos todas por esta mesma Constituição. Além disso, a ninguém é licito anular ou corromper estes documentos expedidos por nossa vontade, pelo contrário estas coisas se dê fé aqueles a quem forem mostradas, tendo exemplares diversos desta Constituição, quer impressos, quer feitos a mão, e que nosso Selo seja apresentado a homens constituídos na Dignidade Eclesiástica e justamente sejam subscritas por algum tabelião público. Dado em Castel Gandolfo, perto de Roma, no dia 14 de setembro do Ano do Senhor de 1971, nono do nosso Pontificado.

 

Aloísio, Cardeal Traglia, Chanceler da Sagrada Igreja de Roma.

Carlos, Cardeal Confalonieri, Prefeito da Sagrada Congregação para os Bispos.

Francisco Tinello, Regente da Chancelaria Apostólica.

José Del Tem, Protonotário Apostólico.

Eugênio Sefi, Protonotário Apostólico.

 

Expedida no dia 9 de outubro, nono ano de Pontificado.

M. Orsini, Plumador.

Nos livros da Chancelaria Apostólica, volume 139, pág. 80

 

 

 

Bispos da Diocese

Os Bispos diocesanos, exercem seu ministério em comunhão eclesial, presididos pelo Papa. Recebem a missão de tornar-se presentes na obra de Jesus Cristo. Apascentam, em nome do Senhor, o rebanho a eles confiado, com a missão de governar, ensinar e santificar. Conheça os Bispos que já passaram pela Diocese de Paulo Afonso, e o atual.

 

 

1º Bispo – DOM JACKSON BERENGUER PRADO (1971 a 1983)

Lema: “Somos todos Irmãos”

Baiano de Tucano foi o primeiro bispo a assumir três dioceses: Vitoria da Conquista, Feira de Santana e Paulo Afonso. Estruturou a Diocese, construiu o Centro Comunitário de Gloria, escolas, capelas. Estimulou o Grupo Bíblico, o Cursilho de Cristandade e os grupos de jovens. Faleceu no dia 02 de agosto de 2005.

 

 

 

 

 

2º Bispo – DOM ALOYSIO LEAL PENNA (1984 a 1988)

Lema: “Vim para Servir”

Paulista de Piquete. Dom Aloysio é Jesuíta, foi ordenado sacerdote em 1963. Dedicou particular atenção ao clero, dinamizou a pastoral diocesana com as religiosas, criou paróquias, adquiriu o prédio para o Seminário, além de outras aquisições. Em 1988 foi transferido para Bauru–SP. Faleceu no dia 19 de junho de 2012.

 

 

 

 

 

3º Bispo – DOM MARIO ZANETTA (1988 a 1998)

Lema: “Cremos na Caridade”

 

Italiano de Borgomanero, em maio de 1969, chegou aqui com o amigo Pe. Lourenço. Com a partida inesperada do amigo, assumiu a herança por ele deixada e deu continuidade aos trabalhos, sempre direcionados para o seu lema: CREMOS NA CARIDADE. Faleceu no dia 13 de novembro de 1998.

 

 

 

 

4º Bispo – DOM ESMERALDO B. DE FARIAS (2000 a 2007)

Lema: “Levanta-te e Anda”

 

É baiano de Santo Antônio de Jesus. Enfatizou a formação dos leigos, demonstrou uma maior atenção às atividades missionárias, vocações sacerdotais e às comunidades de base. Promotor do Movimento dos padres do Prado. Na Diocese teve um grande trabalho missionário. Foi transferido para Santarém no Pará. Atualmente, é Arcebispo-bispo de Araçuaí.

 

 

 

5º Bispo – DOM GUIDO ZENDRON (2008 – Atual)

Lema: “Cristo Redentor dos Homens”

 

Italiano de Trento trabalhou por 14 anos em Salvador. Foi sagrado bispo da Diocese de Paulo Afonso em maio de 2008. Aqui chegando foi acolhido com muito entusiasmo. Investido de sua missão episcopal, percorreu toda a Diocese para conhecer a situação espiritual e material de seus diocesanos e de sua diocese. Atualmente, é Bispo da Diocese de Paulo Afonso.

 

 

 

 

 

Mapa da Diocese (Foranias)

Forania é um grupo de paróquias próximas, que juntas, ajudam mutuamente, favorecendo o trabalho pastoral mediante uma ação em comum. A Diocese de Paulo Afonso, conta com 5 foranias, que promovem o cuidado pastoral mediante cooperação das diversas paróquias mais próximas.

 

 

Paróquias que compõem a Diocese

 

  1. Paróquia São João Batista, 07 de abril de 1702 – Jeremoabo

 

  1. Paróquia Santa Teresa D’Ávila, 15 de outubro de 1754 – Ribeira do Pombal

 

  1. Paróquia Nossa Senhora do Bom Conselho, 27 de novembro de 1817 – Cícero Dantas

 

  1. Paróquia Santo Antônio, 08 de abril de 1842 – Glória

 

  1. Paróquia Nossa Senhora do Patrocínio, 22 de maio de 1871 – Paripiranga

 

  1. Paróquia Santo Antônio, 15 de agosto de 1936 – Abaré

 

  1. Paróquia São Francisco de Assis, 04 de 1959 – Paulo Afonso

 

  1. Paróquia Imaculada Conceição, 06 de dezembro de 1981 – Antas

 

  1. Paróquia São João Batista, 05 de janeiro de 1985 – Rodelas

 

  1. Paróquia Senhor do Bonfim, 16 de janeiro de 1985 – Chorrochó

 

  1. Paróquia Imaculada Conceição, 17 de janeiro de 1985 – Pedro Alexandre

 

  1. Paróquia Santo Antônio, 16 de fevereiro de 1987 – Canudos

 

  1. Paróquia Senhor do Bonfim, 15 de outubro de 1987 – Macururé

 

  1. Paróquia Catedral Nossa Senhora de Fátima, 10 de março de 1991 – Paulo Afonso

 

  1. Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, 10 de março de 1991 – Paulo Afonso

 

  1. Paróquia São Francisco de Assis, 10 de março de 1991 – Fátima

 

  1. Paróquia Santo Antônio, 10 de março de 1991 – Sítio do Quinto

 

  1. Paróquia Sagrada Família, 25 de maio de 1991 – Paulo Afonso

 

  1. Paróquia Imaculada Conceição, 17 de agosto de 1992 – Banzaê

 

  1. Paróquia Senhor do Bonfim, 29 de janeiro de 1993 – Adustina

 

  1. Paróquia Santo Antônio, 14 de agosto de 1998 – Coronel João Sá

 

  1. Paróquia Santa Brígida, 28 de março de 2009 – Santa Brígida

 

  1. Paróquia São Pedro, 29 de junho de 2009 – Novo Triunfo

 

  1. Quase-Paróquia São José, 15 de março de 2020 – Glória – Pov. Quixaba

 

  1. Quase-Paróquia Sagrado Coração de Jesus, 2020 – Paulo Afonso – Centenário

 

  1. Quase-Paróquia Nossa Senhora Aparecida, 12 de abril de 2020 – Paulo Afonso – Rodoviários

 

  1. Quase-Paróquia Nossa Senhora Aparecida, 19 de abril de 2020 – Paulo Afonso – Vila Moxotó

 

  1. Quase-Paróquia Ascensão do Senhor, 21 de fevereiro de 2021 – Paulo Afonso

 

 

Oração do Jubileu

Aproximando-se o Jubileu de Ouro da Diocese de Paulo Afonso, a comissão de Padres, juntamente com o Bispo Dom Guido Zendron, elaboram a “Oração do Jubileu” e os passos a serem seguidos para a criação do “Hino Jubilar da Diocese de Paulo Afonso.”

 

Hino do Jubileu de Ouro

 

 

 

Programação Especial

Durante todo o dia, as paróquias e instituições da Diocese de Paulo Afonso, estarão elaborando uma programação especial em suas redes sociais sobre o Jubileu de Ouro. Acompanhe através dos meios de comunicação de sua paróquia e demais obras da Diocese. Na Catedral Nossa Senhora de Fátima, em Paulo Afonso, haverá a Missa de Ação de Graças ao Jubileu de Ouro, às 19h, presidida pelo Bispo Dom Guido Zendron.

 

 

Nossa gratidão a Deus, pelo os que aqui passaram e por todos aqueles missionários e missionárias, padres, bispos, religiosas e religiosos, leigos e leigas que doaram e que ainda doam a sua vida para a construção do Reino de Deus.

Viva a Diocese de Paulo Afonso! Proclamando e testemunhando Jesus Cristo ao seu povo, nas terras do Nordeste Baiano.

 

 

Por Robson Oliveira / Pastoral da Comunicação Diocesana

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *