19 de janeiro de 2022
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Dom Guido publica nota sobre a ADI 5581 que pede a liberação do aborto em casos de Zika Vírus

Postado por:

Share on facebook
Share on whatsapp
2004-Nota-Aborto (outro tamanho)

PAULO AFONSO – Em nota Dom Guido Zendron, bispo de Paulo Afonso, BA, convida a todos os fieis para se unirem em oração e demonstrarem apoio a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), junto com outras Instituições são chamadas a defender à vida.

 

Entenda o caso:

O Supremo Tribunal Federal, pautou para hoje, sexta-feira, 24 de abril, a possibilidade de descriminalização do aborto nos casos das mães que são infectadas pelo Zika Vírus. A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), se pronunciou publicando uma nota ontem, quinta-feira, 23, demonstrando perplexidade sobre a atitude do STF em possível legalização do aborto em casos graves de Zika Vírus. Ao mesmo tempo, a CNBB, reitera o chamado ao cuidado pela vida e alerta para que neste tempo de coronavírus nos esforcemos a preserva-la.

 

Segue a Nota da Diocese, de Paulo Afonso (BA), podendo baixa-la em PDF.

 

NOTA DA DIOCESE DE PAULO AFONSO SOBRE A ADI 5581 QUE PEDE A LIBERAÇÃO DO ABORTO EM CASOS DE ZIKA VÍRUS

 

“Concedei, ó Deus, ao vosso povo a graça da ressureição.”

Com as palavras da Oração Litúrgica de hoje que expressa o desejo profundo do coração de cada pessoa, a Diocese de Paulo Afonso convida todos os fiéis a se unirem em oração e, em comunhão com a CNBB, pedirem que as Instituições chamadas a defender a vida, não se tornem instrumento de morte.

“A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB, reitera sua imutável e comprometida posição em defesa da vida humana com toda a sua integralidade, inviolabilidade e dignidade, desde a sua fecundação até a morte natural comprometida com a verdade moral intocável de que o direito à vida é incondicional, deve ser respeitado e defendido, em qualquer etapa ou condição em que se encontre a pessoa humana. Não compete a nenhuma autoridade pública reconhecer seletivamente o direito à vida, assegurando-o a alguns e negando-o a outros. Essa discriminação é iníqua e excludente; “causa horror só o pensar que haja crianças que não poderão jamais ver a luz, vítimas do aborto”. São imorais leis que imponham aos profissionais da saúde a obrigação de agir contra a sua consciência, cooperando, direta ou indiretamente, na prática do aborto.”

“Esperamos e contamos que a Suprema Corte, pautada no respeito à inviolabilidade da vida, no horizonte da fidelidade moral e profissional jurídica, finalize esta inquietante pauta, fazendo valer a vida como dom e compromisso, na negação e criminalização do aborto, contribuindo ainda mais decisivamente nesta reconstrução da sociedade brasileira sobre os alicerces da justiça, do respeito incondicional à dignidade humana e na reorganização da vivência na Casa Comum, segundos os princípios e parâmetros da solidariedade.”

Nossa Senhora de Fátima que acolheu o Senhor da Vida e o acompanhou nos momentos de alegria e de dor, interceda a fim de que em cada instante e em cada situação possamos ser testemunhas da Ressureição.

 

Paulo Afonso, 24 de abril de 2020.

 

Dom Guido Zendron

Bispo Diocesano de Paulo Afonso.

Nota em Defesa da Vida (CNBB)

Nota da Diocese de Paulo Afonso, BA, sobre a ADI 5581

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *